Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





AQUELE ABRAÇO...

por mimi, em 16.06.08

 

 

Foram só 4 dias, mas pareceram uma eternidade.

O M. só esteve fora 4 dias e não é a 1ª vez, mas é a 1ª vez desde que o G. nasceu.

Foi muito difícil e a partir de agora as viagens sozinho vão ter que ser muito bem pensadas e pesar os prós e os contras.

 

Isto porque o meu M. todos os anos tem tido uma ou duas viagens oferecidas pela empresa onde trabalha e eu sempre o apoiei e incentivei a ir.

Ao meu R. apesar de ficar com saudades do pai nunca o afectou muito.

Agora com o G. a história é outra.

No ano que nasceu tinha ele 1 mês o M. ganhou uma viagem ao México e optou por não ir porque o bebé era muito pequenino e como eu tinha sido internada pela 2ª vez depois do parto e ainda estava muito fraca ele ficou para me ajudar.

Agora como o G. já está com 19 meses, e também como eram só 4 dias, eu não coloquei qualquer entrave à sua ida.

Só que não esperávamos a reacção que o G. teve. Primeiro começou por andar sempre a perguntar pelo Papá, depois quando ouvia passar ou parar um carro ao pé de casa ia a correr à janela ver se era o papá.

Mas o pior foi quando no segundo dia o pai telefonou e eu passei o telefone, ele gritava pelo pai e depois de o pai desligar nunca mais foi o mesmo, ficou muito rabugento, triste a chorar por tudo e por nada, etc.

No dia seguinte achei melhor não lhe passar o telefone quando o pai ligasse e foi o que fiz, mas as coisas não melhoraram, porque ele esteve sempre muito rabugento e dava a sensação que lhe doía alguma coisa, depois de andar com ele sempre ao colo e ele ficar muito sonolento, achei que estivesse com sono, só que deitava-o na camita dele e ele não conseguia conciliar o sono o que não é muito normal, porque ele dorme sempre muito bem.

Acabou por fazer um pico de febre nessa noite e na manhã seguinte também e eu pensando que ele estava doentito levei-o ao pediatra, que depois de o examinar não lhe achou absolutamente nada e disse que eventualmente poderia ser a falta do pai que o estaria a deixar assim. Fiquei de ir vigiando e de ver as alterações com a chegada do pai.

 

Não é que ele mudou completamente mal o pai chegou. O sorriso que já não lhe via desde que o pai foi embora, depois de ele chegar não saía do seu rosto. Fiquei pasma, e sem qualquer dúvida de que realmente tinha sido a ausência do pai a provocar o estado do G.

 

Foram 4 dias muito complicados, porque quando não sabemos exactamente o que eles têm é uma preocupação imensa, mas o mais importante é que já está tudo bem.

 

E aquele abraço à sua chegada, faz esquecer quase tudo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.06.2008 às 22:28

sobressalta-se o tempo
por um momento
renova-se o quê
de um mais alento

e o joelho
imagina-se-me o virtual
sorriso de rir
que no final

mar sem ondas
cristalina cor
só o vento sussurra

...... ......

dos calhaus
beijofas

Sem imagem de perfil

De jabeiteslp a 16.06.2008 às 22:44

as duas palavras
são amor amor
inépcia minha, saí
esqueci-me de por

até o anonimato
é chato


dos calhaus e fragas da Serra
beijofas
Imagem de perfil

De mimi a 17.06.2008 às 09:14

Não tem problema, reconheci o estilo.
Obrigada.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D